Dicas ecológicas

Dicas ecológicas

Existem várias coisas que podemos fazer para sermos (um bocadinho) mais ecológicos. Hoje sugerimos três coisas que podemos facilmente pôr em prática que, para além de terem um impacto gigante no meio ambiente, também nos vão ajudar a poupar.

1. Recibos eletrónicos

Uma das coisas que comecei a fazer quando decidi reduzir a quantidade de lixo que produzo é dizer não. Recusar é o primeiro dos 5 R’s da ecologia e não é por acaso. Dizer não é fundamental porque na verdade, nós não precisamos de grande parte das coisas que nos são oferecidas. Não precisamos daqueles folhetos que nos oferecem na rua ou colocam na nossa caixa do correio, não precisamos daquela palhinha que nos oferecem na bebida (muito menos duas palhinhas!), entre tantas outras coisas que se tornaram banais mas que se não existissem, não faziam falta nenhuma.

Os talões sempre me chatearam. Sempre os aceitei e guardei na carteira sem pensar duas vezes – nem tanto por receio de ser confrontada caso entrasse noutra loja que vendesse o mesmo tipo de produtos, mas porque era algo que eu considerava normal. Na verdade, nunca precisei de mostrar o meu talão a ninguém, a não ser por questões de trocas ou devoluções de produtos. Acabava por acumular uma quantidade ridícula de talões – que iam parar no lixo após a limpeza periódica da minha carteira. Hoje em dia, caso não considere que vá precisar de prova de compra, informo os funcionários que não preciso de talão antes da compra ser processada – algumas vezes o talão é impresso automaticamente, mas por vezes é possível evitar a sua impressão.

Os talões eletrónicos são uma excelente alternativa – sabemos sempre onde os encontrar, estão disponíveis a qualquer altura e não acabam no lixo algumas semanas depois. As contas da água e da luz não precisam de ser enviadas por correio se podem ser segura e ecologicamente recebidas na nossa caixa de correio electrónico. Caso esta opção não esteja disponível, porque não deixar esta sugestão? Se várias pessoas sugerirem o mesmo, talvez esta alternativa comece a ser mais amplamente oferecida. 

2. Reutilizar vestuário

Hoje em dia conseguimos facilmente encontrar peças de roupa a preços acessíveis sem muito esforço. Apesar do preço para o consumidor ser baixo, qual será o seu real preço ecológica e eticamente? Muitas vezes estas peças são fabricadas com tecidos pouco sustentáveis e de baixa qualidade, com recurso a mão de obra barata e eticamente questionável e cujo desgaste vai ser visível pouco tempo depois.

Se considerarmos tudo isto, talvez fará mais sentido apoiar marcas que utilizam materiais e técnicas com qualidade superior e que oferecem condições justas aos seus trabalhadores – além disso, estas peças irão provavelmente durar mais tempo.

Por outro lado, será que precisamos de adquirir peças novas em todas as ocasiões? Porque não trocar com amigos, familiares ou colegas de trabalho, visitar lojas de segunda mão, o mercado do Facebook ou grupos do Facebook como o Mercado 2a mão Lixo Zero do movimento Lixo Zero Portugal?

3. Reduzir o consumo de carne

Também o consumo de carne aumentou significamente dada a sua fácil acessibilidade, o que estimulou a indústria pecuária a crescer rapidamente. No entanto, a produção pecuária tem um enorme peso em problemas ambientais atuais como o aquecimento global, a degradação do solo, a poluição do ar e da água. Estima-se que esta indústria seja responsável por emitir mais gases de efeito de estufa do que o sector dos transportes. Além disso, esta é uma indústria que requer uma grande quantidade de água – estima-se que para produzir 1 kg de carne sejam necessários entre 5000 e 20000 litros de água.

Hoje em dia, muitos de nós consumimos carne em demasia e os efeitos negativos da carne no organismo humano não devem ser ignorados, principalmente o de carnes vermelhas e processadas. Por isso é importante saber qual é a quantidade recomendada de proteína e quais são as melhores fontes para a sua obtenção.

Esperamos que estas dicas inspirem alguns de vós a fazer pequenas (grandes) mudanças.

Até breve!

Add Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *